fbpx

15 mulheres inspiradoras que fizeram história

mulheres inspiradoras Malala

Graças ao trabalho e à vida dessas e de tantas outras mulheres inspiradoras o empoderamento feminino vem ganhando cada vez mais espaço na história mundial. Hoje, a maior parte das mulheres do mundo todo podem estudar, trabalhar, votar e escolher a sua própria roupa, bem como o homem com quem deseja se casar.

Apesar dessas atitudes parecem simples e nosso direito como indivíduos, durante muitos anos essa realidade foi completamente diferente. Foi graças à dedicação, ao trabalho árduo e incansável de outras mulheres  que hoje temos muito mais liberdade de expressão.

Algumas dessas mulheres, inclusive, conseguiram mudar o rumo da história e deixarem seus nomes para sempre gravados. Estas mulheres estão espalhadas por todos os cantos do planeta, inclusive aqui no Brasil.

Ainda há um caminho longo rumo a que todas as mulheres do mundo tenham esses direitos assegurados, mas muito já foi feito graças ao esforço e trabalho dessas inúmeras mulheres pioneiras.

Por isso, decidimos trazer neste artigo 15 mulheres singulares, inspiradoras e cheias de coragem, de diferentes épocas e lugares, que deixaram seus nomes escritos na história do mundo e fizeram dele um lugar melhor para que todas nós possamos viver hoje.

15 mulheres inspiradoras que fizeram história

Por muitos séculos, foi atribuído à mulher um papel exclusivamente doméstico. Não podíamos ter educação formal, trabalhar fora e muito menos o direito ao voto.

No entanto, muitas mulheres deram a própria vida pelos seus ideais e conquistaram o mundo através de suas profissões, opiniões e busca de seus direitos.

Não precisamos ir muito longe para encontrar esses exemplos, a própria história do Brasil está recheada de mulheres incríveis que marcaram a sua época. Acompanhe conosco 15 mulheres inspiradoras que fizeram história!

1 – Marie Curie

A cientista e física franco-polonesa Marie Curie foi a primeira mulher a receber um Prêmio Nobel. Aliás, foi a primeira e única mulher a ganhar esse prêmio duas vezes: em 1903, quando dividiu o Nobel de Física com o seu marido Pierre Curie e o físico Henri Becquerel, e em 1911 quando recebeu o Nobel de Química.

Marie também foi a primeira mulher a ser admitida como professora na Universidade de Paris. Além disso, nomeou dois elementos químicos descobertos por ela em homenagem ao seu país de origem (Polônia): o polônio e o rádio.

O elemento 96 da tabela periódica, o Cúrio, representado pelo símbolo Cm foi batizado em homenagem à Marie e Pierre Curie

Suas pesquisas com a teoria da radioatividade (termo cunhado por ela própria), fizeram com que ela se tornasse uma das mentes mais brilhantes do século passado. Época essa, onde as mulheres cientistas eram consideradas uma raridade, e por essa razão é considerada uma mulher inspiradora.

2 – Frida Kahlo

Artista inspiradora Frida Kahlo

A exuberante artista mexicana Frida Kahlo foi uma mulher muito à frente de seu tempo. Sofreu um acidente de bonde aos 15 anos de idade que a fez passar por mais de 30 cirurgias no decorrer de sua vida.

A pintora quebrou diversos tabus contrariando as expectativas das pessoas da época. Casou-se com um homem que sua família não aprovava (o muralista Diego Rivera), que já era famoso no mundo inteiro.

Construiu uma carreira de sucesso em uma profissão dominada até então por homens. Apesar de ter sido ofuscada pelo talento de seu marido no início de seu relacionamento, conseguiu superá-lo com seus autorretratos carregados de cores e emoções.

Se permitiu viver grandes amores, nunca se prendeu a padrões estéticos, era militante na política e valorizava muito a cultura mexicana.

3 – Maria da Penha

A brasileira Maria da Penha é um exemplo de superação e através de sua história pessoal, conseguiu que uma lei fosse criada para proteger as vítimas de violência doméstica.

Após seu ex-marido ter tentado matá-la duas vezes, e ter ficado paraplégica, Maria da Penha lutou por 20 anos em sua cadeira de rodas para que o ex-companheiro fosse preso.

Após dedicar boa parte da sua vida à causa, conseguiu que o ex-marido recebesse uma pena de oito anos e que a Organização dos Estados Americanos (OEA) condenasse o Brasil pela negligência no caso. Além disso, foi recomendado a criação de uma lei para o tema.

Seu esforço e luta não foram em vão! A Lei Maria da Penha, que leva seu nome, vigora desde 2006. Hoje, ela coordena uma ONG que auxilia vítimas e trabalha no combate ao problema.

 4- Lady Dy

lady dy

Diana Frances Spencer, mais conheça como Lady Di, tornou-se bastante conhecida por se dedicar a causas humanitárias, tanto antes como depois de seu divórcio com o príncipe Charles.

Além de ser extremamente carismática, Diana tornou-se uma das mulheres mais famosas do mundo ao se casar com o Príncipe de Gales. Ícone de moda e beleza, influenciou diversas mulheres sobre empoderamento e liberdade feminina.

Lutou por causas humanitárias como o combate à Aids e foi madrinha de mais de 100 instituições sociais e organizações de caridade, feito que a fez ser conhecida como “A Princesa do Povo”.

Sempre quebrando protocolos reais, ela apertou a mão de um portador do vírus HIV para derrubar a crença de que ele era transmissível por contato. Também conheceu órfãos de pais soropositivos no Brasil, alertou o mundo sobre a lepra e visitou centros de sem-teto em Londres.

Diana faleceu no dia 31 de agosto de 1997, em um trágico acidente de carro em Paris. Sua morte foi seguida de um enorme luto público no Reino Unido.

5 – Michelle Obama

Michelle Obama

A ex-primeira dama Michelle Obama é uma das mulheres mais admiradas do mundo. Negra, elegante, confiante e com uma sólida carreira de advogada, ela conquistou o mundo com seu jeito simples e cativante.

Quando seu marido virou presidente da nação mais poderosa do mundo, os Estados Unidos, ela prontamente deixou sua carreira de lado para cuidar da família.

Sempre muito zelosa com as filhas, Sasha e Malia, Michelle se engajou em diversas causas sociais e nunca teve medo de se posicionar. Ela esbanja charme mesmo quando usa um vestido nada exclusivo, vendido a R$ 60,00 na rede de lojas H&M, mostrando que elegância não se compra.

Inteligente e centrada, levantou a bandeira do feminismo e ganhou ainda mais notoriedade com o seu programa Let’s Move, que combatia a obesidade infantil no país. Desde então, por onde passa, lota arenas e participa de turnês mundiais.

Michelle Obama se tornou inspiração para homens e mulheres, com seu discurso libertador e preocupações com pautas raciais e feministas.

6 – Dandara

Dandara dos Palmares, esposa de Zumbi dos Palmares é descrita como uma heroína, no entanto são poucos os registros que se tem de sua vida. Mesmo que seu nome tenha sido praticamente esquecido na história, ela teve um papel tão importante quanto o líder do quilombo.

Dandara dominava técnicas de capoeira e lutava ativamente nas batalhas contra o seu quilombo. Além disso, liderava homens e mulheres e ajudava na criação de estratégias para a resistência do quilombo.

Ela teve três filhos com Zumbi dos Palmares e além de lutar e criar estratégias, participava de atividades como a caça e a agricultura no quilombo.

Dandara foi uma mulher líder obstinada pela liberdade. Contribuiu com toda a construção, organização socioeconômica, política, familiar do Quilombo dos Palmares.

Após ser presa, preferiu jogar-se de uma pedreira ao abismo do que retornar à condição de escrava.

7 – Simone de Beauvoir

A escritora, filósofa existencialista, professora, ativista política e teórica social Simone de Beauvoir é considerada uma das maiores teóricas do feminismo moderno. Manteve um relacionamento intelectual com o filósofo Jean Paul-Sartre por cerca de 50 anos.

Dentre os seus principais trabalhos está o livro clássico: O segundo sexo’, que foi publicado em 1949 e trata da condição da mulher nas dimensões sexual, psicológica, social e política.

O livro, mesmo publicado a mais de 70 anos é um clássico absoluto, muito original e através do qual continuamos interpretando o mundo e o universo feminino. O livro alcançou repercussão internacional e tratava da opressão feminina e da busca da independência da mulher diante da sociedade.

Simone teve uma coragem enorme ao escrevê-lo e elevar as experiências de vergonha feminina a uma reflexão filosófica em uma época que todas as demais preferiram se calar.

8 – Malala

Malala Yousafzai é uma ativista paquistanesa que foi baleada na cabeça enquanto voltava da escola, que frequentava escondida. Em 2008, o líder talibã exigiu que as escolas interrompessem as aulas dadas para as meninas.

Então, Malala passou a escrever para um blog na BBC de Londres sobre o terror de não poder estudar. Ela também defendia abertamente o direito à educação para as meninas.

Como sobreviveu ao ataque, Malala se mudou para o Reino Unido com a sua família e continua lutando pelos direitos de todos à educação. Em 2014, em função de seu engajamento para garantir o direito à educação das mulheres, Malala ganhou o Prêmio Nobel da Paz, aos 17 anos.

A menina é a pessoa mais jovem a receber este prêmio. Em parceria com a jornalista britânica Christina Lamb, Malala escreveu o livro “Eu sou Malala, a história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã”.

9 – Maria Quitéria

Maria Quitéria nasceu em uma fazenda, perto de Feira de Santana (BA). Foi considerada para a lista de mulheres inspiradoras por ser uma militar e heroína da Guerra da Independência que fugiu de casa e disfarçou-se de homem para conseguir entrar em combate.

Maria Quitéria teve a ajuda de uma meia irmã para se transformar no “soldado Medeiros”, nome que usava para se apresentar aos outros oficiais. Ela chegou a ser desmascarada pelo próprio pai, mas foi defendida por seu comandante e continuou lutando ao lado dos homens.

Maria Quitéria foi a primeira mulher que se tem conhecimento a assentar praça numa unidade militar das Forças Armadas Brasileiras e a primeira mulher a entrar em combate pelo Brasil, em 1823.

Hoje é a patronesse do Quadro Complementar de Oficiais do Exército Brasileiro. Morreu anônima aos 61 anos de idade em Salvador, na Bahia.

10 – Princesa Isabel

A princesa Dona Isabel do Brasil, apelidada de “a Redentora” foi a segunda filha do imperador Dom Pedro II. Após o falecimento dos seus irmãos, foi declarada herdeira do trono brasileiro e aos 14 anos jurou a Constituição imperial.

A personalidade tranquila de Isabel a distanciou da política, e ela se satisfez com uma vida calma e doméstica. Em 1864, se casou com o príncipe francês Gaston de Orleães, conde d’Eu, com quem teve quatro filhos.

No entanto, Dom Pedro II a deixou como regente durante três vezes, ocasiões estas em que ela assinaria leis que favoreciam a abolição da escravatura no Brasil. Em 1888, enquanto seu pai viajava ao exterior, a princesa assinou a Lei Áurea que acabaria com a o trabalho escravo no país.

Apesar de o ato ter sido muito popular, houve grande oposição por parte dos ricos fazendeiros contra sua sucessão ao trono. Pesaram contra ela o fato de ser mulher, sua religião, seu casamento com um estrangeiro e a emancipação dos escravos.

Em 1889 a monarquia brasileira foi abolida, e a Princesa Dona Isabel e sua família foram exilados na França por um golpe militar. Seus últimos trinta anos de vida foram vividos calmamente na França.

11 – Amelia Eahart

Amelia Eahart

Amelia Earhart foi uma das mulheres inspiradoras da nossa história e um grande símbolo da aviação e a primeira mulher a voar sozinha sobre o Oceano Atlântico. A norte-americana também era autora e defensora dos direitos das mulheres.

Além disso, Amelia também foi a primeira a receber a Cruz de Voo Distinto, a condecoração militar atribuída a atos de heroísmo ou conquista extraordinária concedida a pilotos das Forças Aéreas dos EUA.

Pioneira na aviação, Amelia estabeleceu diversos outros recordes, escreveu diversos livros sobre as suas experiências de voo e foi uma peça muito importante na formação de organizações para mulheres que desejavam pilotar.

A piloto desapareceu no Oceano Pacífico enquanto fazia um voo de volta ao mundo.

12 – Joana D’ Arc

Joana D’arc, também conhecida como Donzela de Orleans, foi uma heroína francesa e santa canonizada pela igreja católica. É a santa padroeira da França e foi chefe militar na Guerra dos Cem anos.

De origem muito simples, era uma camponesa modesta e analfabeta, que sem nenhum conhecimento militar, passou a chefiar um exército na França, durante a Guerra dos Cem Anos.

Considerada uma das principais mártires da história, foi queimada em praça pública em 1431, acusada de Heresia e feitiçaria por um tribunal eclesiástico inglês e francês. Na época, ela tinha somente 19 anos. Por essa razão é que ela é uma das mulheres inspiradoras da nossa lista.

13 – Madre Teresa de Calcutá

Madre Teresa de Calcutá

Anjezë Gonxhe Bojaxhiu, mais conhecida como Madre Teresa de Calcutá foi uma religiosa, que entrou na lista de mulheres inspiradoras por ser símbolo de generosidade e devoção, que dedicou sua vida a educar crianças pobres.

Madre Teresa fundou a congregação Missionárias da Caridade e era uma mulher de fé inabalável. Viajou pelo mundo inteiro divulgando a sua causa, convenceu dois papas a colaborar com suas missões e ganhou o prêmio Nobel da Paz em 1979.

A religiosa de origem albanesa nasceu em 1910 e era influente entre ricos e famosos. Foi canonizada em 2016 pelo Papa Francisco. Sua fundação, a Congregação Missionárias da Caridade está presente em pelo menos 139 países.

14 – Ada Lovelace

Augusta Ada King, mais conhecida como Ada Lovelace foi uma matemática e escritora inglesa. É considerada a primeira programadora do mundo e responsável pelas primeiras linhas de código processadas por uma máquina.

Ada nasceu em 1815, no Reino Unido e cresceu em um ambiente de lógica e de estudos matemáticos. Na juventude estabeleceu uma relação de amizade com o colega matemático britânico Charles Babbage.

Suas anotações foram republicadas mais de 100 anos depois de escritas e inspiraram o trabalho de Alan Turing sobre os primeiros computadores modernos na década de 1940.

Ada Lovelace foi uma mulher muito à frente do seu tempo e concebeu a ideia de que os computadores realizariam muito mais tarefas do que apenas calcular.

15 – Valentina Tereshkova

Valentina Tereshkova foi uma das mulheres inspiradoras por ser a primeira mulher a viajar para o espaço e ainda hoje é a única que realizou um voo solo. Ela conseguiu destacar-se entre outras candidatas com mais estudos por ser uma exímia paraquedista, o que era essencial para o voo com a nave Vostok VI.

Assim, a russa foi transformada em heroína nacional após o feito e recebeu as duas maiores condecorações nacionais, a Ordem de Lenin e Herói da União Soviética. Nos anos seguintes ingressou na vida política do país.

Com efeito, esta lista possui apenas 15  mulheres inspiradoras que foram fundamentais para a História e para o mundo. No entanto, ela poderia ter milhares de outros nomes de mulheres que ajudaram a construir um mundo melhor.

Por mais que as mulheres tenham sido relegadas por muitos séculos a serem apenas filhas e esposas, sem direito de opinar e terem uma educação formal, algumas conseguiram passar por cima de tudo isso. Com muita luta e coragem atingiram um objetivo maior e deixaram seus legadas para as gerações futuras.

Graças a elas, hoje vivemos em um mundo infinitamente melhor.

Agora queremos saber de você, quem são as mulheres que te inspiram?

 E no mundo dos negócios? Veja a artigo que preparamos com mulheres empreendedoras que vão inspirar você! 

Veja outras postagens:

Deixe um comentário

  Subscribe  
Notify of